Nascemos batendo e aprendemos a não fazê-lo? Ou será que é o contrário? – Post 6/Mulher

Não se bate em mulher nem com uma flor. Aquele ditado que ouvimos desde pequenos. Parece que ele ensina a não fazermos uma atitude que, atualmente, ainda, é a refletida na realidade de muitas mulheres. A pergunta é: bater em mulher é uma coisa natural para as crianças?

No Brasil, a lei 11.340, denominada Lei Maria da Penha, estabelece “mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do art. 226 da Constituição Federal” entre outras convenções e leis.

Na Itália, o jornal independente Fanpage quis descobrir qual era a reação de meninos de sete a 10 anos quando eram solicitados a bater em uma menina. Os antes confortáveis garotos, que responderam a perguntas simples como “o que você quer ser quando crescer?”, ao serem apresentados a Martina, não se intimidaram em lhe demonstrar carinho, a lhe elogiar ou a fazer caretas para ela, mas tiveram uma reação bem diferente quando o diretor pediu: agora, bata nela. Veja abaixo (infelizmente, sem legendas em português).

—————

Veja a postagem anterior da série Mulher aqui!

Uma ideia sobre “Nascemos batendo e aprendemos a não fazê-lo? Ou será que é o contrário? – Post 6/Mulher

  1. Pingback: “Muito bem, Irmã Sufragista!” – Post 7/Mulher | Circulo Operário Bento-Gonçalvense

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>